quarta-feira, 6 de novembro de 2013

POMBA GIRA




MARIAP1
POMBA GIRA

Na Umbanda, temos uma Linha de Entidades de Trabalho que se identificam como Pomba Gira (ou Pombagira) e que atuam na chamada Esquerda. São espíritos humanos que tiveram várias encarnações e que, com o tempo, obtiveram a permissão da Lei Maior para se assentarem à Esquerda dos Orixás e trabalharem em favor da nossa evolução.
  
E onde estaria a origem da palavra Pombagira?
  
Na Cultura Nagô-Iorubá, de onde vem o culto aos Orixás, não existe um Orixá Pombagira (Divindade) e nem uma Entidade Pombagira.
  
A provável origem do nome Pombagira está numa Divindade da Cultura Bantu. Os povos Bantus (ou Bantos) ocupavam a região de Angola, Congo, Cabinda, que ficava ao lado do território do povo Sudanês, este correspondente aos Nagôs e Jejes.
  
Entre os Bantos, predomina a Cultura Angola, na qual o idioma mais falado é o Kimbundu (ou Kimbundo). Dentro dessa Cultura Angola de língua Kimbundu, as Divindades são chamadas Inkices e entre elas há uma Divindade “Bombo Gila” ou “Bombo Njila” ou “Pambu Njila”, que é o Senhor ou Guardião dos caminhos e das encruzilhadas. Dessa designação pode ter derivado o nome Pomba Gira.Outros estudiosos afirmam que o nome Pombagira deriva de “Bombogira” (ou “Bombo Djiro”), Divindade da Cultura Angola que recebia oferendas nas encruzilhadas e caminhos e que às vezes era identificada como feminina e outras, como masculina.

Pomba Gira na Umbanda

Dentro da Umbanda, o nome Pomba Gira pode ser traduzido como: mensageira dos caminhos à Esquerda. “Pomba” é um pássaro que já foi usado como correio (pombos-correios); e “gira” expressa a idéia de movimento, caminhada, deslocamento etc. Como essas Entidades atuam na Esquerda, vem o significado de mensageira dos caminhos à Esquerda.
  
Logo no início da religião de Umbanda, as primeiras Entidades que se apresentaram foram os Caboclos, os Pretos Velhos e as Crianças. Em seguida vieram os Exus, que chegaram trazendo Entidades companheiras, as quais se identificavam como Pomba Gira.

Assim como Exu é um guardião e protetor na Esquerda, Pombagira também é uma guardiã protetora atuante na Esquerda da Umbanda. Ela se apresentou como par natural de Exu e por esse motivo, no início das suas manifestações, se pensava que Pombagira fosse “mulher de Exu” e até “mãe de Exu Mirim”. Com o passar do tempo, a Espiritualidade foi esclarecendo melhor aquele tipo de manifestação, aumentando a nossa compreensão a respeito dessas Entidades.

Há registros de que entidades com características semelhantes já se manifestavam no Brasil antes do advento da Umbanda. O pesquisador João do Rio, no livro “As religiões do Rio”, relata casos dessas manifestações nas chamadas “macumbas” cariocas.

Porém, com características próprias, a presença de Pombagira se acentua na Umbanda nas décadas de 1960/70, coincidindo com os movimentos pela libertação feminina.

Até então, historicamente, a mulher sempre teve um papel subalterno em nossa sociedade, marcadamente machista; sendo rotineiramente sufocada na sua expressão, pelo poder masculino.

Contexto histórico, cultural e social no qual surge e se expande a presença de Pombagira na Umbanda― Não é demais lembrar que há questão de um século a legislação de muitos países permitia ao marido, até mesmo, matar a mulher que lhe fosse infiel. Porém, esse marido não poderia assassinar o homem que participou com ela da traição. Ou seja, as leis deixavam bem claro que o homem era “superior” à mulher; que a “culpa e o “crime” eram sempre da mulher e, portanto, ela merecia todos os “castigos e punições”...


Muitas religiões inclusive “sacramentavam” a condição subalterna das mulheres, impondo-lhes obediência irrestrita aos pais, maridos e aos parentes masculinos em geral; e que cobrissem todo o corpo, então visto como “fonte de pecado e luxúria”...


Dessa forma e por muito tempo, a mulher foi reduzida à condição de objeto, pois não era vista como um ser com direitos; e foi levada a crer na sua “inferioridade” perante o homem e a acreditar que a sua sensualidade e sexualidade naturais, de origem Divina, eram coisa “demoníaca”...

Em nosso país, até bem pouco tempo, as filhas solteiras eram confinadas em quartos internos das residências, de modo que não houvesse portas ou janelas dando para a rua, e onde elas permaneciam impedidas de contatos com pessoas, principalmente homens, que não fossem da família. Casamentos arranjados eram de costume. Os direitos civis das mulheres, quando existiam, eram muito limitados, pois a legislação recente colocava o homem como chefe da família e a mulher como sua subordinada. 

Vamos fazer aqui um rápido apanhado da situação jurídica da mulher brasileira nos últimos oitenta anos, para se ter uma idéia mais clara do assunto:

O direito ao voto é conquista recente da mulher brasileira. Foi obtido parcialmente por meio do Código Eleitoral Provisório, de 24 de fevereiro de 1932, que permitia o voto apenas das mulheres casadas, desde que com autorização do marido, bem como o das viúvas e solteiras que tivessem renda própria. O Código Eleitoral de 1934 ampliou esse direito, mas não lhe deu caráter obrigatório, ao contrário do previsto para o voto masculino. O voto feminino sem restrições só passou a ser obrigatório em 1946.

O direito ao voto feminino começou pelo Rio Grande do Norte, em 1927, quando a Professora Celina Guimarães, de Mossoró, se tornou a primeira brasileira a fazer o alistamento eleitoral. A primeira mulher escolhida para ocupar um cargo eletivo é também do Rio Grande do Norte: Alzira Soriano, eleita Prefeita de Lajes, em 1928, pelo Partido Republicano. Mas ela não terminou o seu mandato, pois a Comissão de Poderes do Senado anulou os votos de todas as mulheres...

Em 1933, a médica paulista Carlota Pereira de Queiroz foi a primeira mulher a votar e ser eleita Deputada Federal, participando dos trabalhos da Assembléia Nacional Constituinte, entre 1934 e 1935.

Em 1979, pela primeira vez uma mulher ocupou um lugar no Senado: Eunice Michiles (do Amazonas), que era Suplente e assumiu o posto com a morte do Titular do cargo.

Mas só em 1990 foram eleitas as primeiras Senadoras: Júnia Marise (por Minas Gerais) e Marluce Pinto (por Roraima). Por São Paulo, a Suplente Eva Blay assumiu o mandato quando o Titular, Senador Fernando Henrique Cardoso, se tornou Ministro do então Presidente Itamar Franco.

Em 1994, o Maranhão elegeu a primeira Governadora de nosso país: Roseana Sarney.

Em 1996, o Congresso Nacional instituiu o sistema de cotas na Legislação Eleitoral, obrigando os partidos a inscreverem, no mínimo, 20% de mulheres nas chapas proporcionais. Em 1997, o sistema foi revisado, elevando esse mínimo para 30%.

A nossa primeira Ministra de Estado foi Maria Esther Figueiredo Ferraz (Educação), em 1982. Hoje, as mulheres estão à frente de vários Ministérios e há uma Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Recentemente, o Brasil elegeu a primeira mulher para o alto cargo de Presidente da República: a Senhora Dilma Rousseff.

Pois bem.

Se a valorização da mulher no cenário político é coisa recente e que ainda assusta a muitos “machistas de plantão”, já podemos imaginar que no âmbito particular, familiar e doméstico a situação tem sido ainda muito pior.

O quadro geral recente da nossa história revela uma teia de discriminação e, consequentemente, um gerador de desrespeito e de violências contra a mulher.

Ora, se tudo apontava para a “inferioridade” das mulheres, até porque os sacerdotes e os legisladores de então eram homens, é natural que alguns homens se julgassem no direito até de espancá-las e tratá-las como animais. Infelizmente, alguns ainda pensam assim, e a violência doméstica contra as mulheres é muito grande em nosso país: maridos e companheiros que as espancam ou as submetem emocionalmente, filhos e familiares que assim procedem; e tudo assistido impunemente pela sociedade e pelo Estado.

Apenas em 07 de agosto de 2006 tivemos a edição da Lei 11340, a chamada Lei Maria da Penha, como instrumento jurídico específico de proteção das mulheres contra a violência familiar e doméstica (praticada por seus maridos e companheiros, ou por filhos e quaisquer pessoas da sua convivência).

A Lei Maria da Penha prevê a criação de Juizados e Delegacias Especiais para cuidar de casos de violência doméstica e familiar contra a mulher, bem como o estabelecimento de medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar, com a punição inclusive criminal dos infratores.

Em resumo, essa Lei dispõe que: Artigo 2º― Toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza   dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social; Art. 3º ― Serão asseguradas às mulheres as condições para o exercício efetivo dos direitos à vida, à segurança, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária; (...) Artigo 6o ― A violência doméstica e familiar contra a mulher constitui uma das formas de violação dos direitos humanos.

Esses dados ilustram a lenta evolução da situação da mulher em nossa sociedade.

E o quê as Entidades Pombagiras têm a ver com isso?

Acontece que, justamente num período que coincide com os movimentos pela libertação feminina, as Pombagiras vieram com mais força na Umbanda, trazendo o arquétipo da mulher forte, destemida, segura de si, sensual (mas NÃO vulgar!), mostrando a força do poder feminino. Ao mesmo tempo, mostravam-se boas ouvintes e conselheiras. Envolventes, conseguiam fazer com que as pessoas lhes contassem seus problemas mais particulares e suas inseguranças, para então auxiliá-las.

Com isso, as Pombagiras trouxeram um novo padrão de valor feminino para a sociedade, ajudando muitas mulheres a conquistarem autoconfiança e a recuperarem sua autoestima; e, indiretamente, auxiliavam a promover uma transformação do olhar masculino e de toda a sociedade para com as mulheres.

Mais uma vez, nos deparamos com a Espiritualidade Superior buscando formas de nos ajudar a valorizar a figura da mulher e a quebrar mais um preconceito, levando a sociedade a avançar como um todo no caminho da fraternidade, da igualdade e do respeito ao outro.

O Mistério, o Orixá, o Trono e a Entidade Pombagira na Umbanda


Na Criação, encontramos o Princípio Masculino, o Poder e a Força Masculinos do Criador manifestados por meio dos Orixás Masculinos. É a Manifestação do aspecto “Pai” do Criador.

Já o Princípio, o Poder e a Força Femininos do Criador são manifestados pelos Orixás Femininos (Oyá-Tempo, Oxum, Obá, Egunitá, Iansã, Nanã, Iemanjá). Manifestação do aspecto “Mãe” do Criador. E este mesmo Poder Feminino está presente em Pombagira.

Ou seja, na Umbanda, Pombagira é também uma Manifestação do Sagrado Feminino; portanto, é uma Entidade que deve ser tratada com o mesmo respeito que dedicamos às demais.

Na Umbanda, Pombagira é cultuada como Entidade de Trabalho, como Espírito que trabalha a serviço da Luz e que, portanto, só pode praticar o Bem, e ainda que às vezes o faça com mão forte...

Como todas as Entidades, a atuação de Pombagira é sustentada por um Orixá. Este Orixá Sustentador manifesta um Mistério Divino e é chamado de Orixá Pombagira, porque não há outro nome conhecido para designá-Lo (visto que na Cultura Nagô, de onde provém o culto a Orixá, não existe uma Divindade com este nome).

Assim, a Linha ou Grau Pombagira é sustentado por um Orixá que denominamos de Orixá Pombagira. Da mesma forma que cada Linha de Trabalho da Umbanda tem a sustentação de Orixás específicos, o mesmo acontece com Pombagira.

E assim como há Caboclos, Pretos Velhos, Baianos etc., trabalhando na Irradiação de todos os Orixás, há Pombagiras de Oxalá, de Oxum, de Oxóssi etc., enfim, há Pombagiras de todos os Orixás.

O Trono que corresponde ao Mistério Pombagira é denominado Trono do Estímulo ou do Desejo, pois esta é a Energia que Pombagira nos transmite, e com muita propriedade: o despertar do estímulo, do gosto pela vida, o “start” para levarmos avante os nossos esforços pela conquista de uma vida melhor, mais saudável e equilibrada, em todos os setores.

O “desejo” que Pombagira desperta em nós não se refere ao campo unicamente sexual, como alguns pensam, mas tem uma conotação muito mais ampla. Sem estímulo, a pessoa não consegue caminhar em nenhum setor da vida. E no campo sexual, especificamente, Pombagira é a grande esgotadora dos desequilíbrios, dos entraves e bloqueios que possamos carregar em nosso íntimo, visto que a Energia sexual é Sagrada e, por isso mesmo, importante para o nosso equilíbrio geral. Pombagira muitas vezes revela o que está escondido, para promover o esgotamento desses negativismos.

E por qual motivo Pombagira se apresentou, no início, como par natural de Exu? Exatamente porque Pombagira desperta nos seres o estímulo para agir, enquanto Exu vitaliza essa vontade, para que o objetivo seja alcançado.

Ainda há muita desinformação a respeito de Pombagira, inclusive no meio umbandista.

Para alguns, seria uma Entidade capaz de fazer o mal (“amarrações”, trabalhos de magia negativa etc.). Grande equívoco! Uma Entidade que trabalha a serviço da Lei Maior não se presta a tais coisas. O que pode acontecer é que seres trevosos se aproveitem da malícia e despreparo do médium ou do consulente, ou de ambos, para, usando o nome de Pombagira, atenderem a caprichos inferiores. Mas aí a responsabilidade é dividida de forma igual entre quem pediu, o médium que serviu de intermediário e quem fez, e não das Entidades Pombagiras.

Há também quem pense que Pombagira foi prostituta, mulher perdida etc. Assim, ela  viria trabalhar para “pagar um carma”, estando sujeita às nossas vontades. Outro engano! Pombagira é um espírito humano que teve várias encarnações. Que, como todo ser humano, cometeu erros. Mas que se arrependeu e se reergueu, obtendo a permissão Divina para trabalhar, usando da sua experiência em benefício da própria evolução e também da nossa, porque nos alerta sobre as consequências dos erros.

Quem errou e reconheceu seus erros tem um grau de consciência apurado. E quem vem trabalhar como Guia de Umbanda tem um nível de evolução superior ao nosso!

Ninguém pode afirmar, ao certo, quem foi Pombagira na sua última encarnação ou nas anteriores. E isso não interessa, na verdade. Aliás, quem somos nós para “julgar” quem vem nos ajudar? O que importa é que se trata de Espíritos a serviço da Luz e que, por já terem errado, conseguem entender os nossos erros humanos. Falam conosco “de igual para igual” (no sentido de compreensão) e podem nos ajudar no caminho da recuperação, a partir do momento em que assumirmos responsabilidade pelos nossos atos. Quando uma Entidade da Esquerda vem e nos conta um episódio do seu passado como encarnado, fala dos seus erros e das suas consequências quando deixou a carne, tudo isso nos serve de reflexão. Esse é um dos pontos de atuação de Pombagira em nosso favor, pois quando ela fala de erros, acertos e consequências, ela sabe do que está falando e nos transmite sinceridade e veracidade.

Quem conhece o caminho pode guiar quem vem atrás...

A única maneira de quebrarmos os preconceitos que ainda existem em relação às Pombagiras é pelo estudo da natureza e finalidade do trabalho dessas Entidades dentro da Umbanda. Fiéis de outras religiões não têm obrigação de conhecer isso, embora devam nos respeitar, até por força de mandamento constitucional.

Mas enquanto houver médiuns e consulentes umbandistas achando que podem pedir qualquer coisa a uma Pombagira; ou médiuns vestindo roupas escandalosas, com “decotão’, transparentes, barriga de fora, com maquiagem e adornos excessivos, e requebrando de maneira vulgar por aí, e fazendo isso “em nome de Pombagira”; enquanto isso continuar acontecendo, será difícil que a Umbanda obtenha o respeito das pessoas de fora da religião. E dentro da religião essas práticas absurdas só abrem caminho para a manifestação de seres trevosos, mentirosos e enganadores, que nada mais são do que afins com aqueles que deturpam o nome da Umbanda. Semelhante atrai semelhante...

Na Umbanda, quando POMBAGIRA se manifesta, estamos diante DO SAGRADO FEMININO.

Por detrás daquele Espírito que vem trabalhar, há um Orixá Sustentador, há um Mistério da Criação Divina. Há também outros Pais e Mães Orixás Irradiadores, a amparar e indicar o campo específico de trabalho de cada Pombagira.

Enfim, na atuação de Pombagira há todo um Caminho Sagrado nos envolvendo, ao qual devemos amar, honrar e respeitar, dentro e fora da religião.

LAROYÊ, POMBAGIRA! POMBAGIRA MODJUBÁ!
SALVE O ORIXÁ POMBAGIRA!
SALVE TODAS AS SENHORAS POMBAGIRAS DE UMBANDA!

Nomes simbólicos: Pombagira das Sete Encruzilhadas; Pombagira das Sete Praias; Pombagira das Sete Coroas; Pombagira das Sete Saias; Pombagira dos Sete Caminhos; Pombagira das Matas; Rosa Negra; Dama da Noite; Maria Molambo; Maria Padilha; Pombagira das Almas; Pombagira dos Sete Véus; Pombagira Cigana; Rosa Caveira; Sandália de Prata; Pombagira Rainha; Maria Quitéria; etc.

Dia da semana: Não há um dia específico. A designação de um dia, em cada Terreiro, pode estar relacionada ao Orixá que rege mais diretamente o trabalho da Entidade que comanda essa Linha naquela Casa.

Campo de atuação: Estimular os seres nos Sete Sentidos da Vida (Fé, Amor, Conhecimento, Justiça, Lei, Evolução e Geração); desbloqueio de energias densas no campo da sexualidade; limpeza energética; quebra de magias negativas.

Ponto de Força: No geral, as encruzilhadas em forma de " T"  e os caminhos. No particular, o ponto de força do Orixá que as rege mais diretamente.

Cor: Preferencial: Vermelho. Algumas usam o bicolor vermelho/preto.

Elementos de trabalho: Punhal; pembas vermelhas; ervas; alguidar envernizado com pedras (Coralina, Ametista, Pirita, Mica Rosa, Granada, Ágata de Fogo, Vassoura da Bruxa etc.); búzios; moedas de cobre e/ou douradas; fitas e linhas vermelhas; sementes de olho de boi e olho de cabra; incensos; velas vermelhas.

Ervas: Preferenciais: Patchuli, malva rosa, rosa vermelha, amora, hibisco, pitanga. Outras: Canela, casca de alho, casca de cebola, folhas de bambu, folhas de laranja e de limão, raízes, pimentas, olho de cabra, olho de boi, garra de Pombagira, quebra demanda, espadas de São Jorge e de Santa Bárbara, comigo-ninguém-pode, erva-de-bicho, arruda, aroeira, guiné, losna, arnica, manjericão roxo, pinhão roxo, dandá da costa, tiririca, folha de café, peregum roxo, gengibre, folha de manga, folha de goiaba, pára-raio, picão preto, eucalipto, folha de pinheiro.

Sementes: Olho de cabra e de boi. 

Fumo/defumação: Cigarrilha; fumos de ervas específicas enroladas na palha ou queimadas diretamente.

Incenso: Rosa vermelha, dama da noite, canela, jasmim. 

Pedras: As Pedras vermelhas e rosas, tais como: Mica Rosa, Granada, Geodos de Ágata de Fogo. Algumas Guardiãs também trabalham na energia da Pirita e da Vassoura de Bruxa. (Fonte: Angélica Lisanty, “Os Cristais e os Orixás”, Madras Editora.)

Bebidas: Suco de morango, de cereja, de acerola, ou de maçã. 

Frutas: Morango, cereja, maçã, romã, acerola, pêssego, laranja, limão; frutas ácidas e vermelhas em geral. 

Flores: Rosas vermelhas.

Oferenda:

1-Toalha ou pano vermelho; Velas vermelhas; Fitas vermelhas; Linhas vermelhas; Pembas vermelhas; Rosas vermelhas; Frutas: maçãs, morangos, uvas rosadas, caqui; Bebidas: champanhe de maçã, de uva, de sidra, licores. (Fonte: “Rituais Umbandistas ― Oferendas,
Firmezas e Assentamentos”, Rubens Saraceni, Editora Madras.)

2-Frutas vermelhas e/ou ácidas; ervas; flores vermelhas; cigarrilha; uma vela vermelha; uma garrafa de sidra. Cobrir o chão com as ervas e sobre elas dispor as frutas. Cercar com as flores. Derramar a bebida em volta. Firmar a vela na frente da oferenda e acender a cigarrilha, dando três baforadas nos elementos e saudando Pombagira. Deixar a cigarrilha em pé, à esquerda da vela. Recolher tudo quando a vela queimar, agradecer e jogar no lixo.

3-Taça vermelha com sidra, cercada de pétalas de rosas vermelhas e com uma rosa vermelha colocada dentro da bebida; uma cigarrilha; sete velas vermelhas. Cercar a taça com as velas, firmando-as e saudando Pombagira. Acender a cigarrilha, baforar três vezes na direção da taça e colocá-la sobre a taça, sempre saudando Pombagira (a cada baforada). Pedir proteção, fazer o pedido específico. Recolher tudo quando as velas queimarem, agradecer e jogar no lixo. A taça pode ser lavada e reaproveitada.

Cozinha ritualística:

1-Padê de licor de menta e Campari― Meio kg de farinha de mandioca fina e crua; dois copos de licor de menta; dois copos de Campari. Dividir a farinha em duas partes. Numa se mistura o licor e na outra o Campari. Colocar num prato de papelão ou alguidar (metade/metade) e enfeitar com rosas vermelhas ou pétalas dessas rosas.

2-Padê de champanhe― Meio kg de farinha de mandioca fina e crua; meia garrafa de champanhe. Misturar e enfeitar com rosas vermelhas ou pétalas.

3-Padês da Sra. Pombagira Maria Padilha: a- Meio kg de farinha de mandioca crua e fina, misturada com dois copos de uísque e enfeitada com rosas ou pétalas de rosas vermelhas; b-Meio kg de fubá; 250 ml de dendê; 200 g de azeitonas pretas; 200 g de camarão; uma cebola em rodelas. Aquecer o dendê, passar o camarão, depois a cebola, e misturar o fubá. Enfeitar com as azeitonas e rodelas de cebola.

4- Padê com corações de frango― Uma porção de farinha de mandioca fina, um punhado de corações de frango, cebola picada, dendê e mel. Aquecer o dendê e refogar os corações de frango, juntando a cebola. Regar com mel. Enfeitar com pétalas de rosas vermelhas. Indicado para suavizar conflitos nos relacionamentos e para desfazer bloqueios sentimentais e emocionais.

5- Padê de mel― Um punhado de farinha de mandioca fina e um copo de mel. Despejar a farinha e ir acrescentando o mel, misturando com a mão esquerda. Pedir harmonização de situações conflituosas.

6- Padê com farinha de milho amarela― Um punhado de farinha de milho amarela e outro de açúcar cristal ou mascavo. Misturar a farinha e o açúcar com a mão esquerda, pedindo uma orientação e auxílio para questões urgentes. Regar com champanhe vermelho (escuro).

Saudação: Laroyê, Pombagira! Pombagira Modjubá!
(Repetir a saudação  três vezes. Em cada vez, bater paô: deixando o polegar de fora, bater três vezes os outros quatro dedos da mão direita sobre o centro da palma esquerda. Esta repetição, de três em três, tem o significado de acionar o poder multiplicador do número três; número que é usado sempre que nos dirigimos ao Sagrado.)


Texto- POMBAGIRA- Fonte: O livro “Orixá Pombagira”, de Rubens Saraceni, Madras Editora.

Pombagira popularizou-se com a expansão da Umbanda e dos demais cultos afro-brasileiros nos anos 1960/1970. Sua força era indiscutível e seu poder foi usufruído por todos os que iam se consultar com ela.

 Junto à explosão descontrolada das manifestações de Pombagiras, vieram os males que acom­panham tudo o que é poderoso: os abusos em nome das Entidades Espirituais (pedidos de jóias e per­fumes caríssimos; de vestes ricas e enfeitadas, de oferendas e mais oferendas caríssimas; de assenta­men­tos luxuosos e os­tentativos; de cobrança por trabalhos realizados por elas, mas recebidos em espécie por encarnados etc.).

Pombagira também serviu de desculpa para que al­gumas pessoas atribuíssem a ela seus comportamentos no campo da sexualidade.

Porém, a verdade é que en­quanto Mistério da Criação e instrumento repressor da Lei Maior e da Justiça Divina, Pombagira atua esgotando o íntimo de pes­soas e de espíritos vítimas de desequilíbrios emocionais ou conscienciais, pois essa é uma de suas muitas funções na Criação.

Na Umbanda, a Entidade Espiritual Pombagira, que se manifesta incorporada em suas médiuns, está fundamentada num arquétipo desenvolvido a partir da Entidade Bombogira, originária do Culto Angola.

Nos Cultos tradicionais oriundos da Nigéria não havia a Entidade Pombagira ou um Orixá que a fundamentasse. Mas, quando os nigerianos vieram para o Brasil (por volta de 1800), eles aqui se encontraram com outros povos e culturas religiosas e assimilaram a poderosa Bombogira angolana que, muito rapidamente, conquistou o respeito dos adoradores dos Orixás. Com o passar do tempo, Bombogira conquistou um grau análogo ao de Exu e muitos passaram a chamá-la de Exu Feminino ou de mulher de Exu.

Os mentores espirituais informam que as manifestações de Pombagira são anteriores à Umbanda e já aconteciam esporadica­mente nas “macumbas” do Rio de Ja­neiro, como está descrito no livro “As Reli­giões do Rio”, de João do Rio, livro reeditado em 2006, mas onde não há uma descrição detalhada dos nomes das Entidades, e sim, apenas algumas informações, valiosíssi­mas, ainda que parciais.

Muitos autores umbandistas atribuí­ram-lhe o grau de Exu feminino em razão da falta de informações sobre essa Entidade e pelo fato de manifestar-se nas Linhas da Esquerda, ocupadas por Exu e por Exu Mirim. Inclusive, alguns a descreveram como esposa de Exu e mãe de Exu Mirim. Isso aconteceu pela falta de informações sobre as manife­stações dessas Entidades, até então desconhecidas, que também nada revelaram sobre seus fundamentos divinos.

Atualmente, Espíritos mensa­geiros vêm nos informando que as incorporações de Entidades na Umbanda têm fundamento nas divindades-mistérios; então, só temos de agradecer pelo que, finalmente, nos está sendo concedido.

Pai Benedito de Aruanda, o espírito mensageiro que está nos trazendo a fun­damentação dos mistérios que se ma­nifestam na Umbanda, co­bra-nos um ri­goroso respeito pelos um­bandistas que semearam a Umbanda, o culto aos Orixás, as linhas de tra­balhos espirituais, a forma do culto umbandista e os no­mes aportuguesados dos no­mes africanos que nos che­garam, trazidos pe­los nossos antepas­sa­dos vin­dos da áfrica, de toda ela, assim como aos nomes aportuguesados perten­centes ao tronco lingüís­tico tupi-guarani. (...)

O Mistério Pombagira abriu-se por inteiro na Um­banda e tanto pode ser esse quanto outro nome para identificá-lo porque, enquanto Orixá, seu ver­da­deiro nome nunca foi revelado na Teo­gonia Nagô; ele se encontra oculto entre os 200 Orixás desconhecidos, porque a Pom­bagira não foi humanizada no tempo como foram Exu, Oxalá, Iemanjá e todos os outros Orixás do panteão yorubano, muitos deles des­conhecidos pelos um­bandistas e por boa parte dos segui­dores de outros cultos afros. (...)

Portanto, Pambu Njila para o guar­dião Bantu semelhante ao Exu Nagô e Pombagira para a guardiã umbandista, Rainha das Encruzilhadas da Vida e Senhora dos Caminhos à esquerda dos Orixás.

Pomba é um pássaro usado no pas­sado como correio, “os pombos cor­reios”. Gira é movimento, caminhada, deslocamento, volta, giro, etc. Por­tan­to, interpretando seu nome genuina­mente português, Pomba­gi­ra significa mensageira dos caminhos à esquerda, tri­lhados por todos os que se desviaram dos seus originais ca­minhos evolutivos e que se perderam nos desvios e des­vãos da vida.

Num tempo em que as mulheres eram tratadas como inferiores aos homens e eram vítimas de maus tratos dos seus companheiros, eis que uma Entidade feminina baixava e extravasava o “eu interior” feminino reprimido à força e dava vazão à sensualidade e à feminilidade capazes de subjugar até os mais inveterados machistas.

Pombagira construiu um arquétipo forte, poderoso e subjugador do machismo ostentado por Exu e por todos os homens, vaidosos de sua força e poder sobre as mulheres.

Ela construiu o arquétipo da mulher livre das convenções sociais, liberal e liberada, exibicionista e provocante, insinuante e desbocada, sensual e libidinosa, quebrando todas as convenções que ensinavam que todos os espíritos tinham que ser certinhos e incorporarem de forma sisuda, respeitável e aceitável pelas pessoas e por membros de uma sociedade repressora da feminilidade.

Ela mexeu com o imaginário popular e muitos a associaram à mulher da rua. Mas todos se quedaram diante de sua beleza, feminilidade e liberalidade. Sua desenvoltura e seu poder fascinam até os mais introvertidos que, diante dela, se abrem e confessam suas necessidades, seus recalques, suas frustrações, suas mágoas, tristezas e ressentimentos com os do sexo oposto.

E a todos ela ouviu com compreensão e a ninguém negou seus conselhos e sua ajuda num campo que domina como ninguém mais é capaz.

Quem não iria admirar e amar arquétipo tão humano e tão liberalizado de sentimentos reprimidos à custa de muito sofrimento?

Pombagira é isto. É um dos mistérios do nosso Divino Criador que rege sobre a sexualidade feminina. Critiquem-na os que se sentirem ofendidos com seu poderoso charme e poder de fascinação. Amem-na e respeitem-na os que entendem que o arquétipo é liberador da feminilidade tão reprimida na nossa sociedade patriarcal onde a mulher é vista e tida para a cama e a mesa.

A espiritualidade superior que arquitetou a Umbanda sinalizou a todos que não estava fechada para ninguém e que, tal como Cristo havia feito, também acolheria a mulher infiel, mal amada, frustrada e decepcionada com o sexo oposto e não encobriria com uma suposta religiosidade a hipocrisia das pessoas que, “por baixo dos panos”, o que gostam mesmo é de tudo o que a Pombagira representa com seu poderoso arquétipo.

Aos hipócritas e aos falsos puritanos, Pombagira mostra-lhes que, no íntimo, ela é a mulher de seus sonhos... Ou pesadelos, provocando e desmascarando seu falso moralismo, seu pudor e seu constrangimento diante de algo que o assusta e o ameaça em sua posição de dominador.

Mas para azar dele e sorte nossa, a Umbanda tem nas suas Pombagiras ótimas psicólogas que, logo de cara, vão dando o diagnóstico e receitando os procedimentos para a cura das repressões e depressões íntimas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CURTA NOSSO FACEBOOK!

CLIQUE AQUI E PAGUE SEUS QUADROS COM SEGURANÇA

RECEBA ATUALIZAÇOES DE NOSSO BLOG,SEU EMAIL POR SEGURANÇA SO SERA USADO PARA ENVIO DE ATUALIZAÇOES.